O terrorismo e seu financiamento

Entenda a estrutura dos grupos terroristas, seu funcionamento e financiamento

Disponibilizado em 04/05/2019


Série O terrorismo e seu financiamento: 01 - O financiamento

 

Por: Jorge Lasmar

 

Uma das principais formas de se combater o terrorismo é através da prevenção e combate ao seu financiamento. Contudo, esta não é uma tarefa fácil. Além da natureza clandestina, normalmente ataques terroristas possuem um baixo custo. Só para se ter uma ideia, estima-se que o ataque ao sistema de transporte de Londres, em 2005, custou em torno de GBP 8.000 (oito mil Libras). Mesmo ataques maiores, como os ataques ao USS Cole em 2000, e os ataques às embaixadas do Leste Africano, em 1998, custaram menos que USD 50.000 (cinquenta mil Dólares) (GAFI, 2008). Isto traz ainda uma outra dificuldade para sua detecção: como células terroristas operacionais movimentam quantias baixas quando financiam um ataque, normalmente, é bastante difícil para as instituições e unidades de inteligência financeiras detectarem suas transações.

 

 

Imagem

     Normalmente, ataques terroristas possuem um baixo custo

 

 

No entanto, à medida em que alguns grupos terroristas se tornam maiores e se organizam em organizações mais complexas, sua necessidade financeira também cresce. Grupos e redes terroristas mais estruturadas podem funcionar de uma maneira surpreendentemente similar a uma grande empresa. Ambos buscam obter recursos, lidam com custos fixos, enfrentam problemas de fluxo de caixa, adquirem materiais de apoio, pagam salários e até investem o capital excedente. Manter uma grande organização terrorista pode custar caro e mesmo o mais barato dos ataques precisará de algum recurso. Contudo, diferentes organizações terroristas têm diferentes necessidades financeiras que variam conforme seu tamanho, estrutura, área e modo de atuação etc. Algumas organizações ou redes complexas como Hamas e Hezbollah, por exemplo, têm um alto custo administrativo devido a rede de serviços sociais mantida pelos grupos. Por outro lado, a Al Qaeda (que também se organiza como uma rede complexa) possui um custo operacional significativamente menor.

 

 

   
  "A maioria das organizações terroristas se utilizam de uma combinação de vários métodos legais e ilegais para financiar suas atividades."  
   

 

 

Costumam estabelecer redes complexas de financiamento com fontes e opções de financiamento diversificadas e compartimentadas. A escolha de quais métodos de financiamento do terrorismo são empregados por cada grupo em particular depende de uma série de fatores que influenciam as decisões e os comportamentos do grupo, tais como os benefícios percebidos de cada método; o grau de tolerância ao risco; os recursos necessários por cada método; a disposição em se empregar os recursos disponíveis para opção; e as informações disponíveis para o grupo, o ambiente de segurança do local em que operam, etc.

 

 

Autor

Jorge Lasmar

Doutor pela London School of Economics, LSE, Inglaterra, e autor das obras “Passaporte para o Terror: Os Voluntários do Estado Islâmico” e “Perspectivas do Terrorismo Transnacional Contemporâneo”.